domingo, 27 de março de 2016

'A Memória que me Contam' é um belo filme que relembra a luta heroica de uma geração contra a Ditadura Militar Terrorista, Assassina e Corrupta! - Marcos Doniseti!

'A Memória que me Contam' é um belo filme que relembra a luta heroica de uma geração contra a Ditadura Militar Terrorista, Assassina e Corrupta! - Marcos Doniseti! 
O belo, sensível e inteligente filme de Lúcia Murat relembra a luta de uma geração que ousou sonhar e lutar por um mundo mais justo e melhor para todos. 
Assisti hoje ao 'A Memória que me Contam'. Este é um belo, sensível e, também, polêmico filme de Lucia Murat, que conta uma bela e trágica história, levanta questões que incomodam as forças de Esquerda, principalmente aquelas que se envolveram, de alguma forma, na luta armada contra a Ditadura Militar. E o filme também tem um final emocionante. 

Nele, Lucia Murat faz uma homenagem a uma amiga que lutou contra a Ditadura Militar, Vera Sílvia Magalhães, falecida em 2007 e que participou da luta armada contra a Ditadura Militar como integrante do MR-8. Vera acabou sendo presa e brutalmente torturada, sendo que jamais se recuperou inteiramente do tratamento cruel a que foi submetida nos porões da Ditadura Militar Terrorista, Assassina e Corrupta. 

Aliás, Lúcia Murat também participou da mesma organização guerrilheira da qual Vera fazia parte e que havia sido criada por jovens integrantes do movimento estudantil e que nunca haviam tido qualquer tipo de treinamento ou de experiência militar anterior. 

Vera participou do rapto do embaixador dos EUA, Charles Burke Elbrick, em Setembro de 1969, num momento em que vigorava no país o AI-5 e a censura sobre a imprensa era total, os movimentos sociais tinham sido inteiramente silenciados e a repressão e tortura estavam já virtualmente institucionalizados no Brasil pela Ditadura. 
Vera Sílvia Magalhães, a quem o filme é dedicado, é amparada por Cid Benjamin, devido às brutais sessões de tortura a que foi submetida pela Ditadura Militar.
O objetivo do rapto era quebrar o muro de silêncio que a Ditadura havia imposto ao povo brasileiro, que não ficava sabendo de nada sobre o que acontecia no Brasil, a não ser sob a perspectiva dos militares. 

Os guerrilheiros sabiam que a única chance de derrotar a Ditadura Militar era atraindo o povo para a sua luta, tal como os guerrilheiros cubanos e vietnamitas haviam conseguido. 

Aliás, não foi à toa que as duas Revoluções, cubana e vietnamita, foram vitoriosas, pois ambas contaram com intensa participação popular. E não é a toa, também, que ambos os governos revolucionários ainda permanecem no poder. 

Então, a ideia de raptar o embaixador dos EUA surgiu em função da necessidade de quebrar a censura e de se tentar explicar para a população qual a visão dos guerrilheiros sobre a realidade brasileira da época e, assim, conseguir a adesão popular para a sua luta, algo que acabou não acontecendo, o que, junto com a brutal repressão da Ditadura Militar (por meio da OBAN e do Doi-Codi, em especial), levou à derrota da guerrilha. 

Assim, enquanto o país embalava no ritmo do 'Milagre Brasileiro', que havia começado em 1968, a repressão e a tortura se institucionalizavam, com a criação da OBAN (em Junho de 1969) e, depois, do Doi-Codi.
Herbert Daniel, que é citado no filme, foi integrante de vários grupos guerrilheiros que lutaram contra a Ditadura Militar. 
No filme, Vera é Ana, personagem que é interpretada por Simone Spoladore. Esta aparece apenas quando jovem, mas Ana está no hospital, inconsciente, gravemente doente e em situação crítica. 

E é em função disso que seus antigos amigos de luta contra a Ditadura se reúnem, na sala de espera do hospital, numa situação que lembra a do filme 'As Invasões Bárbaras' (2003). 

Os velhos amigos, todos ex-guerrilheiros, aproveitam o momento para debater a ascensão de um governo progressista ao comando do Brasil e que conta com a participação de antigos guerrilheiros em cargos importantes (algo que aconteceu tanto no governo Lula, como no governo Dilma), cobrando do mesmo a divulgação dos documentos das Forças Armadas a respeito dos crimes cometidos pela Ditadura Militar contra as forças de oposição, tanto as que lutaram pacificamente, quando daquelas que pegaram em armas para tentar derrubar o regime ditatorial.

Aliás, isso (a luta armada contra regimes tirânicos de governo) é algo que é aceito pela Doutrina Liberal. John Locke já dizia, no século XVII, que a população tem o direito de usar a violência para derrubar regimes tirânicos. Isso também é aceito pela Doutrina da Igreja Católica e pela Carta da ONU.  
Já no século XVII o filósofo inglês John Locke defendia que o povo tem o direito de se rebelar, mesmo que usando de violência, contra governos tirânicos. E foi exatamente isso que os guerrilheiros brasileiros fizeram.
Em tais debates também ficam claras algumas das divergências que existem entre os ex-guerrilheiros e que remetem à época da luta contra a Ditadura. 

Exemplo disso é o debate que eles travam em torno da execução de alguns membros dos grupos guerrilheiros que foram acusados, julgados e condenados pelo fato de, supostamente, ter traído o movimento. 

No filme, essa é, a meu ver, uma clara referência a um livro de um ex-membro da ALN, Carlos Eugênio Paz, autor do livro 'Viagem à Luta Armada', no qual ele comenta a respeito deste delicado assunto. É bom esclarecer que isso acontecia porque, na época, muitos integrantes dos grupos guerrilheiros estavam sendo presos pela Ditadura Militar. Um dos personagens do filme, Cacalo, parece ter sido inspirando nele. 

A Ditadura havia conseguido infiltrar agentes secretos nos grupos guerrilheiros (um deles foi o chamado 'Cabo Anselmo', que se infiltrou na ALN) e as seguidas prisões (chamadas de 'quedas') de integrantes da guerrilha havia criado a suspeita entre os mesmos de que havia traidores atuando dentro das organizações. 

Outro tema que é debatido no filme é a questão de que os grupos guerrilheiros estavam lutando contra uma Ditadura para derrubá-la e, depois, instalar outra no lugar. Seria a chamada 'Ditadura do Proletariado'. 

A questão é que essa expressão era usada, por Marx e Engels, não no sentido de cercear as liberdades da população (expressão, manifestação, reunião, organização), impedindo-a de se expressar ou de participar de eleições.
Vladimir Palmeira discursa durante a Passeata dos Cem Mil, que ocorreu no Rio de Janeiro, em 26/06/1968. Cena da passeata é exibida no filme de Lúcia Murat.
'Ditadura do Proletariado', para Karl Marx, representa uma situação na qual uma classe social impõem o seu poder sobre outra. Para ele, por exemplo, a chamada 'Democracia Liberal' não existia. O que temos, nos países ditos democráticos liberais (EUA, Europa Ocidental), é uma Ditadura Burguesa e a tal democracia era uma falácia, pois nos países capitalistas existe uma clara situação de dominação e de exploração dos trabalhadores pela burguesia e as desigualdades sociais são imensas. 

Neste contexto, falar que existe democracia em países capitalistas é uma piada. 

Assim, o filme não se furta a debater temas delicados para os que atuaram nos grupos guerrilheiros que lutaram contra a Ditadura Militar. 

Aliás, isso é algo que diferencia os guerrilheiros dos defensores da Ditadura (como o fascista, racista, homofóbico e machista Jair Bolsonaro), já que estes fazem das tripas coração para tentar justificar os bárbaros e horripilantes crimes que cometeram na época. 

E é bom ressaltar que até mesmo as leis da Ditadura Militar proibiam a prática de tortura e assassinato de prisioneiros. 
Nelson Mandela também pegou em armas para lutar contra o regime racista do Apartheid na África do Sul. Será que ele também foi um terrorista, como os reacionários e fascistas dizem a respeito dos guerrilheiros brasileiros que lutaram contra a Ditadura Militar?
Outro tema debatido pelos ex-guerrilheiros do filme foi a prisão e o pedido de extradição de um ex-guerrilheiro italiano que vivia no Brasil já há vários anos. O personagem, Paolo di Lucca, interpretado por Franco Nero, é uma clara referência ao caso de Cesare Battisti. 

Também fica claro o conflito de gerações existentes entre os antigos guerrilheiros e os seus filhos, que não adotaram as ideologias e nem o modo de vida, dedicado inteiramente à luta política, de seus pais. Eles até admiram e respeitam as lutas dos país, mas não adotam as mesmas ideologias e atitudes, o que é até compreensível, visto que não existe mais uma Ditadura Militar contra a qual lutar. 

Interessante é a fala de Eduardo, quando diz para a mãe, Irene (uma cineasta que também lutou contra a Ditadura e cujos filmes são quase sempre sobre questões políticas, o que é uma clara referência à própria Lúcia Murat), que ela pensa que a geração dela mudou tudo, enquanto ele ainda é discriminado por ser homossexual em pleno século XXI.

No diálogo entre a mãe, Irene, e o filho, Eduardo, ela cita Daniel, um ex-guerrilheiro que era homossexual. No caso, a referência se dá em relação a Herbert Daniel, que foi integrante de várias organizações guerrilheiras, como a Colina, VAR-Palmares e VPR. Ele chegou a ser preso e torturado, mas sobreviveu, atuou no PT e no PV e, em 1992, morreu vítima da AIDS. 
Na sala de espera do hospital onde Ana está internada, ex-guerrilheiros debatem sobre as suas ações do passado e as divergências vem à tona. 
E a nova geração também demonstra ter ambições de mudar o mundo, mas faz isso a partir de uma perspectiva diferente e de uma outra forma de agir na sociedade, levando arte para crianças de comunidades carentes ou adotando uma postura mais ousada e liberal no plano individual, o que é o caso de Eduardo, por exemplo. Este diz que acredita em micro-revoluções e na explosão dos afetos. 

Aliás, a mudança de atitude por parte da antiga geração de revolucionários também fica claro quando um ex-presidiário (João Tavares) vai até o hospital visitar Ana e encontra a sobrinha desta. João conta que Ana fazia um trabalho sobre a questão da cidadania na prisão e que os presos apreciavam muito. Quando ela ficou doente e parou de ir até lá, metade dos presos que frequentavam o curso o abandonaram. 

Assim, o filme também aponta um novo caminho de atuação política e de transformação social para os antigos militantes, cujos sonhos revolucionários foram destruidos pela derrota que sofreram. 

No filme, também vemos a presença de Ana em momentos atuais, conversando com Irene. Em tais cenas, Irene se imagina conversando com a amiga, mas esta se encontra internada no hospital.  

Em um destes momentos, Ana fala que aqueles que foram torturados e que cometeram suicídio é que estavam certos. Um dos militantes desta época que sofreu torturas violentíssimas e que jamais conseguiu se recuperar das mesmas foi o Frei Tito, que acabou se exilando na França, onde se matou (ver livro e filme 'Batismo de Sangue').
Estas foram algumas das milhares de vítimas da Ditadura Militar. 
Em nenhum momento do filme vemos a imagem de Ana no hospital, doente. Ela somente aparece do jeito que era quando jovem: bela, inteligente, charmosa, articulada. Esta foi a imagem que os amigos, Irene principalmente, decidiram guardar da amiga combatente e revolucionária, com a qual eles compartilharam dos mesmos sonhos, lutas, ideais e utopias. 

Talvez essa tenha sido a maneira de, também, preservar, na memória, os belos sonhos e as lindas utopias pelas quais toda uma geração de jovens brasileiros lutou e cuja história merece ser lembrada, até para que o país jamais venha a sofrer, novamente, com a implantação de uma Ditadura, seja ela Militar ou Midiática-Judicial.

Em uma cena do filme vemos Ana, na praia, folheando um jornal, que tem a manchete 'Loira assalta banco no centro da cidade'. Esta é uma referência ao fato de que quando Vera integrou o MR-8, a mesma participava de ações armadas em bancos, supermercados, carros-forte, nos quais sempre usava uma peruca loira. 

Outra reportagem do mesmo jornal tem como título 'Médici elogia política de Nixon', referindo-se àquele que foi o período mais brutal da Ditadura Militar, que foi o governo do ditador assassino Emílio G. Médici (1969-1974), bem como à ligação existente entre a Ditadura Militar brasileira e o governo dos EUA, que planejou, financiou, organizou o Golpe de 64 e que, depois, reconheceu e apoiou ostensivamente a Ditadura que se instalou no Brasil. 
Otávio Augusto interpreta Ricardo, um ex-guerrilheiro que é conservador no aspecto comportamental e que não gosta que as questões polêmicas da época da guerrilha sejam debatidas publicamente. 
No governo de Castello Branco a ligação entre a Ditadura Militar e os EUA foi tão forte que o Brasil chegou a enviar soldados para a invasão da República Dominicana, comandada pelos EUA. E o Brasil também contou com uma grande ajuda financeira por parte do governo dos EUA, que renegociou a dívida externa brasileira de forma bastante rápida. 

E foi no período do governo Médici em que as Forças Armadas foram, literalmente, transformadas numa instituição destinada a promover prisões ilegais, sequestros, torturas, assassinatos e que ainda desaparecia com os corpos das vítimas. Logo, nesta época, elas se transformaram numa organização criminosa, algo que Golbery e Geisel perceberam, claramente, quando este último tornou-se o novo Ditador em Março de 1974. 

A tal abertura 'lenta, gradual e segura', de ambos, foi, de fato, uma tentativa de desmantelar o criminoso e violentíssimo aparato de repressão da Ditadura Militar, mas sem que os militares abrissem mão do poder de governar. A intenção de ambos era criar uma espécie de 'Ditadura Light', que iria tolerar críticas e até manifestações populares de oposição, mas eles, militares, continuariam governando o país. 

Assim, foi contra este regime tirânico e brutal, que instalou um Estado de natureza verdadeiramente criminoso, tirânico e terrorista no país, que a geração de Lúcia e Vera lutaram, de forma heróica e desigual, visto que jamais tiveram ao seu dispor os gigantescos recursos, materiais e humanos, que a Ditadura Militar possuía. 
Irene e Ana conversam e esta pergunta se, realmente, valeu a pena lutar contra a Ditadura Militar. Sim, claro  que valeu. Afinal, apesar da derrota que sofreram, os grupos guerrilheiros mantivem acesa a chama da luta, evitando que o Brasil vivesse numa 'paz dos cemitérios'. 
No final, a jovem Ana pergunta, para Irene, se valeu a pena lutar.

Bem, tomo a liberdade de responder:

Sim, Ana, sempre vale a pena, quando a alma não é pequena. 

E que o exemplo de uma luta heróica que foi levada adiante por uma geração que se levantou contra a Tirania jamais seja esquecida. 

Ditadura Nunca Mais!

Links:

Trailer oficial do filme 'A Memória que me Contam':

Foto inédita mostra efeitos da tortura em Vera Sílvia Magalhães:

http://www.vermelho.org.br/noticia/189236-1

Entrevista com Vera Sílvia Magalhães:


https://www.youtube.com/watch?v=q8fUe7vsj2s

Entrevista com Cid Benjamin:

https://www.youtube.com/watch?v=SHpyAZOJleM&ebc=ANyPxKoNAaprtgSNUp5aRSAXjPbjuCVcZT6u7UOIu-2Y75CUUgGN_8iFS_eMjZ8ww5_CCGJz7HvGKdHSd41fnqdmSgYQeosAew

Entrevista com Carlos Eugenio Paz:

http://operamundi.uol.com.br/conteudo/samuel/40260/o+dia+em+que+a+luta+armada+descobriu+que+cabo+anselmo+era+um+traidor.shtml

Dilma instala a Comissão da Verdade:

https://www.youtube.com/watch?v=VF9BTTs-oJA

O direito à rebelião em John Locke:

http://espectroinvertido.blogspot.com.br/2011/10/o-direito-rebeliao-em-john-locke.html

sábado, 5 de março de 2016

'The X-Files' - 'A Colônia'/'Fim de Jogo' é um excelente episódio duplo da fase Pré-Mitológica da série! - Marcos Doniseti!

'The X-Files' - 'A Colônia'/'Fim de Jogo' é um excelente episódio duplo da fase Pré-Mitológica da série! - Marcos Doniseti!
Ótimo episódio duplo da segunda temporada (excelente) de 'Arquivos-X', 'A Colônia'/'Fim de Jogo' introduziu várias ideias que, posteriormente, foram aproveitadas por Chris Carter nas Mitologias da série. 
O episódio duplo 'Colony'/'End Game' (2X16 e 2X17) faz parte daquela lista que eu considero como sendo 'Pré-Mitológico'. E o que significa isso? É que, neste momento em que 'Arquivos-X' era produzida, ainda não tínhamos uma Mitologia propriamente dita no seriado. 

Até então, os episódios envolvendo alienígenas limitavam-se a dizer o seguinte:

1) Os ETs estão aqui na Terra;

2) Os governos dos EUA e de outros países sabem da presença dos ETs em nosso planeta;

3) Os ETs sequestram as pessoas, levam-nas para as suas naves e fazem inúmeros testes com elas; 

4) O governo dos EUA e de outros países colaboram com os ETs, procurando acobertar e esconder da população a presença deles aqui na Terra, a fim de evitar pânico entre a população;

5) Não tínhamos ideia de quem eram estas pessoas que colaboravam com os ETs. Sabíamos que havia militares envolvidos, mas a identidade deles era desconhecida. 

Nada além disso. 

Duane Barry foi uma das vítimas de sequestros e dos testes que teriam sido realizados pelos alienígenas. Mas nessa época não havia uma explicação, na série, do motivo para que isso fosse feito. 
Neste contexto, várias perguntas ficavam sem resposta, tais como:

1) O que os ETs estavam fazendo aqui na Terra?;

2) Quando os alienígenas chegaram ao planeta?


3) Quais eram os objetivos dos extraterrestres ao fazer tantos testes em milhares de pessoas?

4) Quem são as pessoas que colaboram com os ETs? 

5) E porque estas pessoas colaboram? 

Estas perguntas não eram esclarecidas. Um exemplo perfeito disso se dá quando o Duane Barry é interrogado pelo Mulder a respeito dos testes feitos pelos aliens e ele diz que eles fazem testes, só isso. 

Assim, não tínhamos uma explicação, uma ideia central, que explicasse tudo isso. 
Até então, os episódios sobre os aliens limitavam-se a mostrar que eles abduziam as pessoas e a submetiam a inúmeros testes, mas sem que ficasse explicitado o caráter e o objetivo dos mesmos. E também era mostrado que os governos de vários países sabiam da presença deles na Terra e colaboravam com os mesmos. Mas para que? Isso não era dito.

Tais questões somente começam a ser esclarecidas com a trilogia 'Anasazi/O Caminho da Cura/Operação Clipe de Papel' (2X25, 3X01 e 3X02), quando passamos a ter uma trama na série ligando dezenas de episódios e que foram produzidos ao longo de várias temporadas.
Mulder e o 'Pensador', hacker anarquista que conseguiu acessar e copiar os arquivos do MJ-12, que guardava todos os segredos relativos à presença alienígena na Terra. Ele entregou a fita DAT para Mulder que, em função disso, quase foi morto, por ordens do Canceroso. 
Foi a partir desta trilogia que começou, de fato, uma Mitologia na série, envolvendo uma raça colonizadora, um Sindicato colaboracionista e uma Resistência que luta contra os planos de ambos. Estes três elementos, que são a essência das Mitologias da série, não existiam até então. 

Mas o episódio duplo 'Colony'/'End Game' introduziu uma série de novidades na trama relacionada aos alienígenas no seriado e estas situações começaram a ficar mais claras, pois nele tivemos as seguintes mudanças:

1) Foi o primeiro episódio da série em que apareceu o Vírus Alienígena, ainda naquela cor verde, como uma espécie de 'sangue verde tóxico', que poderia ser fatal se fosse exposto para algum ser humano;

2) Também foi mostrado que o Vírus alienígena tornava-se inerte em baixas temperaturas, ideia essa que foi, posteriormente, utilizada nas Mitologias da série;

3) Foi o primeiro episódio da série que tratou da ideia de um Projeto de Colonização da Terra sendo levado adiante por alienígenas, embora o mesmo fosse feito sem a autorização dos líderes dos ETs;

4) Foi o primeiro episódio da série em que tivemos a participação do alienígena que mudava totalmente a sua aparência, que ficou conhecido como o 'Caçador de Recompensas' e que, depois, passou a ser conhecido como 'Rebelde Sem Face', embora ele tenha sido um colaborador do Projeto de Colonização do Vírus;

5) Foi o episódio no qual foi retomada a ideia de hibridação genética, misturando-se DNA humano e alienígena, para a criação de clones. Isso já havia sido mostrado em 'The Erlenmeyer Flask' ('Jogo de Gato e Rato' - 1X24), mas desde então tal ideia não havia sido reaproveitada na série. Isso voltou a acontecer em 'Colony'/'End Game' (2X16 e 2X17). E posteriormente ela foi aproveitada em todas as Mitologias do seriado, incluindo a da décima temporada (ver 'Founder's Mutation' - 10X05). 
O "Bounty Hunter' ('Caçador de Recompensas') que foi enviado para destruir um projeto de Colonização iniciado por alguns aliens sem a autorização dos seus líderes.  
Posteriormente, Chris Carter se utilizou de varias destas ideias para desenvolver a Mitologia do Vírus Alienígena, o que começou na trilogia 'Anasazi/O Caminho da Cura/Operação Clipe de Papel', como já comentei anteriormente.

'Colony' ('A Colônia' - 2X16)!

O episódio 'Colony' começa com Mulder fazendo uma narração, na qual diz que ele tem vivido com uma frágil crença de que a sua irmã tenha sido sequestrada quando ele tinha apenas 12 anos de idade e que o sequestro havia sido realizado por alienígenas. 

Mulder diz que essa crença lhe deu forças e estímulo para ir em busca das verdades que eram tão ilusórias quando às suas frágeis lembranças. Ele fala que acreditou com paixão, mas que sempre aceitou correr riscos, da sua carreira, reputação, dos seus relacionamentos, da sua própria vida. 

E Mulder também fala que se ele morresse naquele momento, então isso aconteceria num contexto em que todas as suas crenças estavam corretas e que ele confirmou que existe vida inteligente no Universo, sendo que os alienígenas estão entre nós e que começaram a colonizar a Terra. 

Scully chega ao local onde Mulder está sendo atendido por uma equipe médica e mostra que ela está tentando salvá-lo, mas a mesma desconhece informações importantes a respeito de como conseguir isso. 
O Caçador de Recompensas, após matar o agente Weiss. 
No Circulo Ártico, um grupo de marinheiros de um submarino nuclear da Marinha dos EUA vê a queda de uma nave, no mar, em grande velocidade. Mas o estava naquela nave não era um piloto russo de caça, mas um alienígena que tem a capacidade de mudar a sua aparência o tempo inteiro, podendo se transformar em qualquer um. 

Ele veio à Terra para eliminar os alienígenas responsáveis por um programa de colonização da Terra que foi iniciado sem a autorização dos seus líderes, que consideraram que os planos de hibridação genética, por meio do qual se criam clones híbridos, humano-alienígenas, como sendo uma corrupção da sua espécie.

Obs1: Essa teoria é interessante e, me parece, remeter às ideias de Joseph Arthur de Gobineau, que condenava qualquer tipo de miscigenação entre 'raças' e povos diferentes. Para Gobineau, a miscigenação provocava a degeneração física e intelectual das raças que ele considerava como sendo superiores, o que as tornaria estéreis. Essa é uma teoria semelhante à que foi apresentada em 'Colony'/'End Game'. Suas teorias racistas influenciaram outros escritores e intelectuais, bem como um cidadão austríaco de caráter extremamente maligno chamado Adolf Hitler. 

E foi justamente por isso que os líderes alienígenas  enviaram um alienígena que ficou conhecido como 'Bounty Hunter' (um 'Caçador de Recompensas') e que tem a missão de eliminar todos os aliens envolvidos diretamente neste plano de colonização 'pirata', incluindo os clones híbridos. Entre estes temos médicos, que se chamam Gregor, que comandam clínicas de aborto, e mulheres que se chamam Samantha, que são clones híbridos da irmã sequestrada de Mulder, fato este quew ocorreu quando o mesmo tinha 12 anos (e ela tinha apenas 8 anos). 
Joseph Arthur de Gobineau foi um intelectual francês, defensor de teorias racistas, que condenava a miscigenação racial.
O 'Bounty Hunter' se disfarça de um agente da CIA, Ambrose Chapel que, com certeza, foi morto por ele também. Ele mata um agente do FBI, Barry Weiss, que foi investigar o caso a pedido de Mulder, que levou uma bronca e tanto de Skinner em função disso. Mulder pensa que conversou com Weiss, mas na verdade ele falou com o Bounty Hunter. 

E ele conta a história da colonização para Mulder, dizendo, no entanto, que os envolvidos no plano não são alienígenas, mas agentes da KGB enviados para os EUA na época anterior ao início da Guerra Fria, a fim de sabotar e destruir o sistema imunológico do país. 

Ambrose Chapel/Caçador de Recompensas começou eliminando os médicos, mas desconhecia onde todos se encontravam. Daí, ele descobre que os Gregors estão tentando contactar Mulder, devido ao fato de que este começou a investigar o caso, e daí ele procurou. E por isso Chapel vai usar Mulder para chegar aos demais Gregors, a fim de eliminá-los também. 

Quando o Gregor que Mulder e Scully encontram vê Chapel, percebe que corre sério risco, sai correndo e pula pela janela do apartamento, deixando Mulder totalmente surpreso, mas o Gregor termina por ser encontrado e morto por Chapel. Scully vai até o local e vê uma substância verde se dissolver e evaporar. Ela desconhece que aquilo é uma espécie de 'sangue verde tóxico' dos aliens'. Tal substância corroeu o seu sapato, que ela mandou analisar, descobrindo que a mesma não pôde ser identificada. 

Obs2: Este é mais um caso em que Mulder foi enganado por alguém interessado em usá-lo para atingir objetivos que ele mesmo desconhecia. O objetivo de Chapel era usar Mulder para chegar aos médicos restantes que estavam envolvidos com o projeto. E isso, dele ser enganado, voltará a acontecer neste episódio. 

Scully novamente demonstra a sua desconfiança em relação à história de Ambrose Chapel, mas Mulder diz que o mesmo é verdadeiro. Scully diz que Gregor fugia de Chapel e que este pode ser o assassino de Weiss. 
O agente Weiss, do FBI, após ser morto pelo Caçador de Recompensas.
Neste momento, a razão estava com a Scully, mas o Mulder é tão obcecado por descobrir a verdade nestas horas, que ele ignora os alertas e comentários pertinentes da parceira. Scully diz que tem que haver um limite para os casos que investigam e Mulder diz que ela pode ficar à vontade para largar o mesmo. 

Mulder pede para Scully fazer a autópsia do agente Weiss, pois ainda não se descobriu uma causa para a morte. Ela descobre que o corpo de Weiss que o exama toxicológico tem um número excessivo de glóbulos vermelhos, pois o sangue dele havia engrossado e coagulado antes de morrer e que isso ocorreu em função de um agente coagulador (o vírus/sangue verde tóxico dos alienígenas). 

Skinner chama Mulder e avisa que o pai de criação deste, Bill Mulder, quer conversar com ele. Mulder telefona para casa e a sua mãe, Teena, que se separou de Bill quando Samantha foi sequestrada, atende o telefone, deixando-o surpreso, pois os pais de Mulder não se viam há muitos anos. Enquanto isso, Scully vai até uma das clínicas controladas pelos Gregors e vê Chapel destruindo tudo, inclusive matando os embriões dos clones híbridos. 

Scully volta para o seu apartamento, telefona para Mulder, mas a ligação cai na caixa postal. Ela avisa que tem novas informações sobre o caso e diz que foi seguida, por Chapel. 

Mulder visita a casa do pai e vê a mãe conversando com uma mulher. Bill Mulder diz que aquela é Samantha. Quando a vê, ela o chama de Fox. Teena pergunta para Mulder se aquela é mesmo Samantha. Mulder não duvida disso. Mas, como ele irá descobrir mais tarde, a tal Samantha é, de fato, um clone híbrido, tal como os Gregors, criada a partir do DNA da original. 
Scully aponta arma para um dos Gregors, clones híbridos criados pelos aliens para preparar um projeto de Colonização da Terra, mas que foi planejado e implementado sem a autorização dos seus líderes. 
Ela conta que foi levada e que foi criada por alienígenas, mas que não se lembrava de nada a respeito do seu passado, até que fez regressão hipnótica e se lembrou de tudo. Daí ela conta que os seus pais são alienígenas e que um Caçador foi enviado para eliminar a todos eles, pedindo a ajuda de Mulder para impedir que isso aconteça. 

Uma questão que fica em aberto é: Afinal, como os alienígenas tiveram acesso ao DNA da Samantha? Bem, isso está relacionado à trama que é desenvolvida nesta fase 'Pré-Mitológica' do seriado, quando os aliens estavam aqui, o governo sabia disso e colaborava com eles. Então, neste momento, o acesso ao DNA de Samantha, por parte dos alienígenas, se deu em função dessa colaboração entre governo e extraterrestres.

Obs3: Não havia, ainda, na série, a presença do Sindicato, aquele consórcio global formado por altos funcionários dos governos mais importantes do mundo (EUA, Japão, Reino Unido, Alemanha, França, Itália, quase o G-7 inteiro). Então, essa colaboração não era explicada de forma detalhada. Nunca foi mostrado, até a trilogia 'Anasazi/O Caminho da Cura/Operação Clipe de Papel' (2X25, 3X01 e 3X02) quem eram essas pessoas que trabalhavam colaborando com os alienígenas. Mas essa ideia de colaboração envolvendo um projeto de Colonização foi aproveita por Chris Carter quando este decidiu dar início à Mitologia do Vírus-Óleo Negro/Sindicato. 

Mulder telefona para Scully, dizendo que ela não deve confiar em Chapel, mas a clone de Samantha diz que ela poderá não reconhecer o Caçador, pois ele tem o poder de se disfarçar, alterando a sua aparência. E será desta maneira que o Caçador se aproximará de Scully, aparentando ser o Mulder. 
Scully fala com Mulder, ao telefone, ao mesmo tempo em que ele está na sua frente. 
Scully volta para a mesma clínica de aborto, em Germantown, que havia visitado anteriormente e se encontra com os outros quatro Gregors, que são os remanescentes do projeto de colonização e um deles lhe diz que estão correndo risco e que serão mortos, a não ser que ela os ajude. Ela manda a Polícia proteger os Gregors, mas o Caçador vê tudo isso acontecer, irá seguir os policiais, se disfarçar do Policial e matará os quatro Gregors. 

Mulder telefona para a pousada onde Scully diz que ficará, mas ela ainda não chegou ao local e o atendente esquece de avisá-la a respeito da ligação de Mulder. Eta atendente desmemoriado... 

Scully percebe que há algo errado quando o próprio Mulder telefona para ela, no exato momento em que um outro Mulder entra no quarto da pousada onde ela havia se hospedado. 

To Be Continued...

Esse gancho que o C.Carter deixou para o próximo episódio foi excelente, sem dúvida alguma. 

'End Game' ('Fim de Jogo' - 2X17)!

Obs4: 'End Game' marcou a estreia de Frank Spotnitz no seriado, do qual ele se tornaria, nos anos seguintes, um dos principais produtores e roteiristas.

'End Game' começa com um submarino da Marinha dos EUA encontrando uma nave caída e o capitão recebe a ordem de atacar a mesma com um torpedo, mas os equipamentos deixam de funcionar. 

Scully recebe o telefonema de Mulder, enquanto conversa com o falso Mulder na pousada. Ela desliga o telefone...
O Caçador de Recompensas, disfarçado de Mulder, levanta Scully, para forçar a mesma a dizer onde o seu parceiro está. Neste episódio, o Caçador de Recompensas jogou Mulder e Scully de um lado para o outro como se eles fossem dois bonecos. 
Afinal, quem era esse Mulder? Desconfiada, ela lhe aponta uma arma, mas acaba sendo dominada e sequestrada pelo Caçador de Recompensas. Mulder vai até a pousada, junto com o clone de Samantha, e esta diz que Scully corre perigo, falando que o Caçador desejará fazer uma troca entre ela e Scully e que o mesmo irá entrar em contato com eles. 

Mulder questiona Samantha a respeito de tudo aquilo que está acontecendo e ela informa que os aliens criaram clones que chegaram aos EUA na década de 1940 e que eles se dispersaram por todo o país. Eles pensam que a administração do planeta está muito desleixada e que acabarão herdando o controle do mesmo em função disso. 

O clone de Samantha (neste momento Mulder ainda não sabe que ela é um clone) também diz que os alienígenas encontraram uma maneira de misturar DNA humano e alienígena, mas que todo o projeto foi considerado como uma espécie de corrupção da sua espécie e daí os líderes enviaram um Caçador para matar a todos os envolvidos neste projeto não autorizado de Colonização da Terra. Mulder desconfia da história toda, mas ela fala que é a irmã dele e merece a sua confiança.

Skinner chega ao apartamento de Mulder, mas este desconfia que possa ser o Caçador disfarçado, mas o clone de Samantha diz que não é o mesmo. Skinner informa que os quatro Gregors que haviam sido presos por ordem de Scully 'sumiram', ou seja, eles foram mortos pelo Caçador. 

Scully telefona para Mulder, dizendo que foi sequestrada pelo Caçador e que o mesmo quer trocá-la com o clone de Samantha. 
Uma das Samanthas, que era um clone híbrido, que vimos neste episódio. Elas enganaram e manipularam Mulder, para que o mesmo as ajudasse a enfrentar o Caçador de Recompensas, que havia sido enviado para elimina-las, bem como aos Gregors. 
Com a ajuda de Skinner, é armada uma operação do FBI para tentar salvar Scully e impedir que Samantha fique com o Caçador, fechando as saídas da ponte e colocando um atirador de elite para atingi-lo. Scully é devolvida e o clone de Samantha é entregue para o Caçador, mas embora este seja atingido por um tiro, ambos caem no rio gelado. 

Scully pergunta para Mulder porque este não havia dito para ela que a mulher pela qual ela seria trocada era a 'sua irmã'. Mulder fala que agiu assim porque se tivesse falado isso, Scully não permitiria que a troca fosse realizada. Scully também diz que o Mulder que ela viu não era ele e pergunta quem era aquele homem. Mulder diz que ele era um alienígena. Scully pergunta se ele irá dizer isso a Skinner e Mulder responde que falar para Skinner foi a parte mais fácil, mas que, agora, terá que informar o seu pai, Bill Mulder. 

Mulder conta ao pai que perdeu Samantha, falando resumidamente o que havia acontecido, e Bill questiona se esta decisão havia sido dele e Mulder diz que sim. Mulder fala que irá contar o que aconteceu para a mãe, Teena, e Bill pergunta se ele sabe como Teena irá reagir a essa notícia. 

Mulder chora e diz que sente muito. Bill entrega para Mulder um envelope deixado pelo clone de Samantha, com um bilhete e um cartão, que lhe dará acesso a mais uma das clínicas controladas pelos aliens colonizadores. No caso, quem trabalhava ali eram todas clones de Samantha, num projeto de criação de novos clones híbridos.  
Bill Mulder entrega para Mulder o envelope deixado pelo clone de Samantha que ambos pensavam ser a verdadeira, a irmã de Fox que havia sido sequestrada quando tinha apenas 8 anos de idade. 
Os corpos dos dois, do Caçador e do clone de Samantha, são procurados, mas somente o do clone de Samantha é encontrado, sendo Scully vê o mesmo se dissolvendo, tal como havia acontecido com o do Gregor que havia sido assassinado pelo falso agente da CIA, Ambrose Chapel. 

Mulder entra na clínica e se encontra com outros clones de Samantha e é informado de que havia sido manipulado por elas para que ajudassem a deter o Caçador de Recompensas. Elas lhe mostram a Samantha da qual elas foram criadas, mas que não era a sua irmã. Mulder resiste a ajudá-las, pois já havia sido enganado por elas. O Caçador chega ao local, derruba Mulder, mata as clones e coloca fogo no lugar. 

Mulder é salvo e levado embora pelos bombeiros. 

Scully faz um relatório dizendo que há muitas informações sobre o caso que desafiam as explicações racionais e científicas, incluindo a identidade dos clones (Gregors e Samanthas) e que a afirmação de Mulder de que o Caçador era um alienígena não pode ser confirmada. 

O curioso é que a Scully diz isso mesmo depois que: 

1) Viu um falso Mulder em sua frente, idêntico ao mesmo que conversava com ela ao telefone naquele exato momento;

2) Assistiu a desfile que mostrou um verdadeiro festival de clones híbridos;

3) Viu um Caçador de Recompensas levar um tiro na nuca, cair num rio congelado e que o seu corpo fosse encontrado;
Scully, toda ensanguentada, telefona para Mulder, dizendo que o Caçador de Recompensas quer trocá-la por uma mulher, clone de Samantha, que está com ele. 
4) Ela também viu um corpo se dissolvendo depois que tal pessoa morreu. 

Apesar disso tudo, a Scully continua com a sua fé inabalável na Ciência e diz que o Mulder é que não consegue provar aquilo em que acredita?  

Se tivesse um terceiro agente nos 'Arquivos-X', que agisse como um mero observador das investigações que a dupla fazia, o mesmo chegaria à conclusão de que o Mulder é que era o são e a Scully é que era a maluca. 

Scully também fala, em seu relatório, sobre a causa da morte do agente Weiss, dizendo que a causa do mesmo foi um ataque virótico cuja causa não pode ser explicada. Scully percebe que a coagulação do sangue de Weiss foi uma respostq imunológica ao vírus (ou seja, o organismo de Weiss tentou reagir ao mesmo). Daí, começou uma produção maciça de glóbulos vermelho. O cientista do FBI lhe diz que à baixa temperatura o vírus se torna inerte, pois o frio é fatal para o mesmo. 

Tal informação será fundamental para que Scully, depois, consiga salvar a vida de Mulder. 

Mulder vai ao encontro de X, seu informante, querendo saber onde está o Caçador de Recompensas, e X lhe passa essa informação, mas o adverte de que Mulder somente ganhará a guerra se escolher as batalhas certas. Mas a obstinação de Mulder, e a sua busca pela verdade, principalmente com relação ao que aconteceu com a irmã, Samantha, é maior do que o medo dos riscos que ele sabe que irá correr, incluindo o de morrer. 
Scully, refém do Caçador de Recompensas, que deseja trocá-la pelo clone de Samantha. Ele não quer matar Scully e nem Mulder. O Caçador deseja apenas destruir os planos de colonização que foram colocados em prática sem a autorização dos seus líderes. 
Scully vai ate o apartamento de Mulder (de número 42) e vê vários jornais acumulados na frente da porta. Ela entra, vê o X que Mulder afixou na janela (e que ele usava para entrar em contato com o... X), entra no computador dele e descobre uma mensagem deixada por ele, no qual dizia que ela estava certa quanto ao fato de que deveria haver limites para as investigações que faziam. Daí, ele não diz para onde foi e fala que não pode deixar ela arruinar a carreira em função das suas razões pessoais. 

Agitada e preocupada, Scully vai até o gabinete de Skinner, pedindo a ajuda do mesmo para descobrir onde Mulder se encontra. Naquele momento, Skinner se recusa a ajudá-la. Mas, depois, ele vai até o prédio onde Mulder mora e se encontra com X, que tinha ido ao apartamento de Mulder, encontrara Scully, mas que se recusara a informa-la onde ele estava. Na base da porrada, mesmo, Skinner obtém de X, após uma ótima cena de luta no elevador do prédio de Mulder, a informação sobre a exata localização de Mulder e a repassa para Scully, com o rosto inteiramente ensanguentado, resultado da luta com Skinner.

Isso mostra que, neste momento da série, Skinner não era mais apenas um chefe de Mulder e Scully. Ele agia sempre no sentido de ajudá-los, de uma forma ou de outra, mesmo correndo certos riscos. Skinner já havia feito isso na trilogia 'Anasazi'/'O Caminho da Cura'/'Operação Clipe de Papel' (2X25, 3X01 e 3X02), quando passou para Mulder o endereço do Canceroso. Mulder foi até lá, apontou a arma para o Fumacinha, mas não conseguiu matá-lo. 
O corpo do clone de Samantha se dissolve, após ter sido retirado do rio congelado. Ela foi morta pelo Caçador de Recompensas. 
Mulder vai para o Alaska, onde acaba encontrando o submarino nuclear da Marinha e acha o Caçador de Recompensas, que o joga de um lado para o outro como se fosse um boneco. Mulder pergunta sobre a sua irmã, Samantha, e o Caçador lhe diz que ela está viva. 

Mulder atira no Caçador e acaba sendo exposto ao vírus. O Caçador joga Mulder para fora do submarino e vai embora. Mulder é encontrado por uma equipe reconhecimento da Marinha e é levado ao hospital, em situação crítica. Scully chega ao local e consegue convencer o médico de que a temperatura do corpo de Mulder precisa ser abaixada, pois o frio é que o manterá vivo, já que o vírus fica inerte a baixas temperaturas, facilitando o tratamento. 

Junto com a realização de transfusões e um tratamento agressivo com anti-virais, o vírus foi expulso do corpo de Mulder, permitindo que este se recuperasse. 

Scully relata que o retrovírus que contaminou Mulder tem uma origem não identificada. 

Mas, no final, depois de tudo o que viu, Scully admite que os fenômenos inexplicáveis do caso podem ter uma origem... paranormal. Já é um avanço, sem dúvida, em relação ao seu inabalável ceticismo do começo da série. Mas logo depois ela reforça a sua fé na Ciência, dizendo que foi esta que isolou o vírus que contaminou Mulder e que permitiu salvar a vida do parceiro. 
O informante de Mulder, X, e Skinner travaram uma boa luta neste episódio. Skinner conseguiu o que desejava, que era a localização exata de Mulder, que ele, depois, entregou para Scully. 
Assim, mesmo admitindo que algo que a Ciência não consegue explicar tenha acontecido neste caso que investigou, Scully termina o episódio aumentando ainda mais a sua crença nos processos científicos para resolver os casos nos quais trabalha junto com Mulder.

Scully, ironicamente, agradece a Mulder por tê-la deixando para trás quando decidiu ir procurar pelo Caçador de Recompensas. Mulder diz que não poderia deixar que Scully arriscasse a própria vida neste caso.

Scully pergunta para Mulder se este achou o que estava procurando. recobra a consciência, ela  Mulder responde que sim e que aquela caso o havia ajuda a recuperar algo que ele havia perdido, que era a Fé para continuar procurando.  

Assim, a dupla de protagonistas da série conseguiu, neste episódio, reforçar as suas crenças e encontrou energias para continuar procurando, cada um, por suas próprias verdades, fossem de origem científica (Scully) ou, então, de origem paranormal e ou alienígena (Mulder)

E vemos que cada um deles também dá forças para que o outro continue a sua busca. 

Fim.
Scully, à beira da cama de Mulder, que se encontrava em situação crítica. Os conhecimentos científicos dela salvaram a vida de Mulder. E este recuperou as forças para continuar acreditando que seria possível descobrir a verdade sobre a irmã desaparecida. 
Obs5: A cena de Scully à beira da cama de Mulder lembra, claramente, uma cena semelhante, de 'One Breath' (2X08), mas em situação inversa. Ali, era Scully que estava em situação crítica, entre a vida e a morte, e Mulder é quem estava sentado à beira da sua cama, sofrendo com a situação da parceira. 

Obs6: Este foi, provavelmente, o principal episódio Pré-Mitológico da série, sendo que foi aquele do qual mais foram retirados elementos que, posteriormente, vieram a fazer parte das Mitologias da série. É um excelente episódio duplo, que prende a atenção do começo ao fim. Quando ele acaba, você se pergunta: Ué, mas já terminou? 

Frases e Diálogos:

Scully: Sabe, aquele doutor não estava fugindo de nós, mas ele estava fugindo do agente Chapel.
Mulder: Eu acho que está ficando paranoica.  

Scully: Um agente do FBI morreu por insistirmos no caso.
Mulder: São riscos que corremos. Você os aceita ou não. Todas as pessoas tem limites. 

Scully: Estes homens devem ficar sob custódia, em segurança máxima, nada de visitas, imprensa, ninguém. Está certo?
Policial: Sim. Posso perguntar quem são eles?
Scully: Eu digo quando descobrir. 

Scully: Então, que é esse homem e onde...?
Mulder: Ele é um alienígena. 
Scully: É isso que vai dizer ao Skinner?
Mulder? Dizer ao Skinner foi a parte mais fácil, agora tenho que dizer ao meu pai. 

Mulder: Preciso ir para lá;
X: Só ganhará a guerra se escolher as batalhas certas, agente Mulder. Essa é uma batalha que não poderá vencer. 

X: Já matei por menos que isso (logo após lutar com Skinner). 
Depois de lutar com X e ficar todo ensanguetado, Skinner passou para Scully a localização exata de onde Mulder se encontrava. Com isso, ela pôde salvar a vida do parceiro. 
Scully: Como descobriu isso (obs: localização exata de Mulder)?
Skinner: Canais extra-oficiais. 

Caçador de Recompensas: Se quisesse, já poderia tê-lo matado muitas vezes (para o Mulder). 

Mulder: Só me diga onde ela está.
Caçador de Recompensas: Ela está viva. 

Scully: Foi a Ciência que isolou o retrovírus ao qual o agente Mulder foi exposto. E foi a Ciência que nos permitiu entender o seu comportamento. E por fim, foi a Ciência que salvou a vida do agente Mulder. 

Scully: Achou o que estava procurando?
Mulder: Não. Mas encontrei algo que achei que tinha perdido. A fé para continuar procurando. 

Links:

Joseph Arthur de Gobineau:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Arthur_de_Gobineau

Vídeo promocional de 'Colony' (2X16):