domingo, 26 de março de 2017

‘Riso Amaro’ (Arroz Amargo): Um clássico do neo-realismo que transformou Silvana Mangano em estrela e símbolo sexual!! – Marcos Doniseti!

‘Riso Amaro’ (Arroz Amargo): Um clássico do neo-realismo que transformou Silvana Mangano em estrela e símbolo sexual!! – Marcos Doniseti!
'Riso Amaro' é um clássico do Neo-Realismo bastante atípico, pois a história de exploração das trabalhadoras braçais do arrozal fica em segundo plano e o maior destaque do filme fica com a beleza e sensualidade da jovem Silvana Mangano.
O cineasta Giuseppe De Santis foi um dos pioneiros do cinema Neo-Realista, sendo um dos criadores desse ‘movimento cinematográfico’, junto com Vittorio De Sica, Roberto Rossellini e Luchino Visconti (de quem foi assistente no primeiro filme neo-realista, que foi 'Ossessione', de 1943). Apesar da sua importância, ele nunca desfrutou da fama e popularidade desta ‘Santíssima Trindade' do Neo-Realismo. 

Giuseppe De Santis foi um colaborador da revista 'Cinema', publicação quinzenal que era dirigida por Vittorio Mussolini, o filho do Duce, junto com outros jovens talentosos que, posteriormente, também ganharam destaque no cinema italiano, tais como Carlo Lizzani, Gianni Puccini e Antonio Pietrangeli. 

De Santis também estudou, em 1940/1941, no 'Centro Experimental de Cinematografia', escola de Cinema que foi fundada em 1935. Michelangelo Antonioni, Alessandro Blasetti, Dino de Laurentis, Pietro Germi, Alida Valli e Clara Calamai, todos importantes nomes do cinema italiano nas décadas seguintes também estudaram ali. Ele também foi mais um dos inúmeros cineastas italianos que se ligou ao PCI (Partido Comunista Italiano). 
O cineasta Giuseppe De Santis foi um dos pioneiros, bem como um dos principais nomes do Neo-Realismo italiano. 
No entanto, é importante ressaltar que ‘Arroz Amargo’ não é exatamente um típico filme neo-realista, pois ele foi produzido em um ano (1949) no qual o Neo-Realismo já tinha perdido o seu público e quando os filmes do movimento já eram censurados pelo governo conservador e direitista do PDC (Partido Democrata-Cristão), embora alguns dos principais elementos do estilo estejam presentes no mesmo, tais como: 

A) A denúncia da exploração dos trabalhadores (as mulheres do arrozal); 
B) O uso de atores e atrizes não profissionais; 
C) Filmagens que foram realizadas em locações naturais. 

A história do filme deveria girar em torno das relações de trabalho envolvendo as centenas de mulheres que, anualmente, fazem a colheita do arroz em uma região do Norte da Itália durante um período de quarenta dias. Mas apenas uma parte do filme trata deste assunto. 

Estas mulheres saem de inúmeras regiões do país para ir até o local para trabalhar na colheita. O fato é um verdadeiro acontecimento midiático, chamando a atenção de uma emissora de rádio de Turim. 
Walter convence Francesca a roubar um colar de um hotel do qual ela era a camareira e tem um romance com a jovem. Mas ela muda de postura e se afasta desse ladrão manipulador que usa de lábia para iludir e enganar as mulheres, prometendo-lhes uma vida de luxo e riqueza. 
Aliás, foi ao ver inúmeras mulheres (chamadas de 'Mondines') na estação ferroviária de Turim se preparando para ir trabalhar na colheita do arroz que levou o cineasta Giuseppe De Santis a produzir 'Riso Amaro'. 

O esquema de trabalho no arrozal é baseado numa disciplina e hierarquia rígidas, com alguns capatazes organizando e comandando tudo. Para trabalhar no local, é necessário possuir a autorização do sindicato, mas um grupo de 40 trabalhadoras clandestinas também quer participar da colheita do arroz. Elas são ‘agenciadas’ por dois ‘picaretas’, que as introduzem no arrozal e que ficam com uma parte do que elas produzem. 

Os agentes das trabalhadoras clandestinas convencem os capatazes a aceitar a presença delas com base na promessa de que elas irão produzir mais do que as outras trabalhadoras (legalizadas) e que eles, capatazes, irão lucrar com isso. 

O trabalho delas é prejudicado, no entanto, pelas chuvas intensas que caem na região durante vários dias seguidos. Como a remuneração das trabalhadoras (que são pagas com arroz) está ligada à quantidade de arroz que elas colhem, quanto menos dias elas trabalharem, menor será a remuneração. 
Silvana Mangano exibindo as suas belas coxas. O uso da beleza física das atrizes não era algo comum nos filmes neo-realistas. 
Com isso, elas decidem voltar a trabalhar mesmo debaixo de chuva, mas uma das trabalhadoras (Gabriella) acaba não suportando a situação e termina indo embora.

Porém, o foco principal do filme não são as relações de trabalho entre as mulheres e os seus empregadores, como seria de se esperar de um filme neo-realista típico. 

O filme acaba girando em torno de acontecimentos que envolvem uma das trabalhadoras que vai para o arrozal, que é Silvana, que é interpretada pela jovem, bela e sensual Silvana Mangano. 

A beleza física e a sensualidade explícitas de Silvana Mangano são o atrativo principal do filme, o que é algo incomum quando se trata do cinema neo-realista, que sempre se caracterizou por mostrar a realidade de pobreza, miséria, desigualdades, injustiças, privilégios e atraso que caracterizavam a Itália da época. 

A valorização da beleza física das personagens femininas é uma característica que não está presente nos filmes neo-realistas típicos. 

Logo, ‘Arroz Amargo’ é uma grande e solitária exceção, pelo menos no momento em que foi produzido (1949). 
Silvana em meio às trabalhadoras do arrozal. Em 'Riso Amaro', Silvana Mangano se destacou pela sua beleza e sensualidade mas, posteriormente, ela conquistou vários prêmios por suas ótimas atuações e terminou a sua carreira como uma atriz reconhecida por seu grande talento. 
Essa mudança no foco desta produção neo-realista pode estar relacionada a vários fatores, tais como: 

A) Alguém da equipe de produção do filme se apaixonou por Silvia Mangano, que estava no auge da beleza e da sensualidade em seus 19 anos. Isso, de fato, acabou acontecendo. O produtor do filme foi Dino de Laurentis, que acabou se casando com Silvana Mangano, com quem teve quatro filhos. Eles viveram juntos até 1989, quando ela faleceu.  

B) Os produtores do filme decidiram explorar a beleza de Silvana Mangano para poder faturar e lucrar mais e transformá-la em um símbolo sexual, fazendo isso em um momento no qual os filmes neo-realistas já não atraíam o interesse do público italiano; 

C) A censura que o governo Democrata-Cristão passou a promover, cortando cenas e dificultando a exibição dos filmes neo-realistas, em função do fato de que os mesmos mostravam uma realidade de pobreza e atraso, que marcavam a Itália da época, que o governo direitista e conservador, que se instalou no país em 1948, não queria que fosse mostrada nos filmes nacionais. Tal censura era feita por pessoas ligadas à Igreja Católica, que acusava os filmes neo-realistas de serem 'amorais' e de defenderem ideais comunistas.  
Francesca tinha uma vida marcada pelo envolvimento com o ladrão Walter, mas acabará perdendo o interesse por ele, passando a se interessar pelo honesto sargento Marco. Enquanto isso, Silvana se afastará de Marco e irá se envolver com Walter. 
Assim, De Santis percebeu que não poderia explorar o tema das relações de trabalho com a importância e da maneira que gostaria. Desta forma, ele teria escolhido uma saída, também polêmica, que foi a de explorar a beleza e a sensualidade de Silvana Mangano. 

Durante o filme, a bela Silvana aparece em inúmeros momentos com diferentes partes do seu corpo à mostra: coxas, costas, ombros e braços. 

E isso é feito em diferentes cenas nas quais Silvana aparece: deitada na cama, no arrozal, em uma escada. O belo rosto e os lábios sexy e carnudos de Silvana também ficam em evidência em vários momentos. É bom ressaltar que isso não era comum no cinema produzido nesta época, muito menos nas produções neo-realistas, como já ressaltei. 

É como se De Santis tivesse decidido se vingar dos censores ligados à Igreja Católica, pensando ‘Ah, esses reacionários da Igreja Católica me pagam. Já que eu não posso mostrar a exploração das trabalhadoras do jeito que eu quero, então irei exibir o belo corpo e a sensualidade da Silvana Mangano’. 
Esta é mais uma cena que destaca a beleza e sensualidade de Silvana Mangano. Mas em sua carreira ela trabalhou com cineastas consagrados (Fellini, De Sica, Visconti, Pasolini), passando a interpretar personagens cada vez mais complexos e que exigiam muito talento por parte da bela Silvana. Com isso, ela conquistou vários prêmios por suas atuações. 
Independente dos motivos que o levaram a agir desta maneira, De Santis claramente dá uma grande ênfase à beleza de Silvana Mangano, embora conecte a vida desta com a situação de exploração e miséria em que ela e as trabalhadoras do arrozal vivem. 

Além disso, o fato de Silvana desistir de continuar trabalhando no arrozal e se ligar ao ladrão do colar (Walter), na expectativa de desfrutar de uma vida melhor, é um elemento que também estava presente nos filmes policiais Noir, que começaram a ser produzidos na década de 1940, nos EUA. 

E não se pode esquecer que Giuseppe De Santis foi assistente de direção em 'Ossessione', de 1943, que é considerado por muitos estudiosos como o primeiro filme neo-realista e que foi adaptado do romance policial Noir 'O Destino Bate à Sua Porta', de James M. Cain, que havia sido publicado em 1934. Essa influência dos filmes ‘Noir’ também está presente em ‘Arroz Amargo’, principalmente na sequência final. 

E contar uma história com tais características, de uma jovem miserável que apela para o crime a fim de melhorar de vida, era uma maneira de mostrar que a ascensão social e econômica era inviável por meio do trabalho honesto, ou seja, acabava sendo uma forte crítica à sociedade italiana. 
O produtor de 'Riso Amaro' foi Dino de Laurentis, que gostava de cenas grandiosas e contratou centenas de extras. O filme concorreu ao Grande Prêmio do Festival de Cannes de 1949, bem como ao Oscar de Melhor Roteiro, em 1951. 
Mas a tentativa de Silvana acabará fracassando, até porque a proposta neo-realista poderia até explicar os motivos das pessoas apelarem para atividades criminosas para poder melhorar de vida, mas não defendiam tal opção. Os cineastas neo-realistas valorizavam o trabalho, tal como também acontecia com o PCI, ao qual muitos deles eram ligados. 

Com essa crescente repressão que os filmes neo-realistas passaram a sofrer, vários cineastas ligados ao ‘movimento’ se afastaram do mesmo, enquanto que outros passaram a produzir filmes mais leves, em tom de humor, dando origem ao que se chamou de ‘Neo-Realismo Rosa’. 

Tais filmes mostravam a situação de exploração dos trabalhadores, desemprego elevado, desigualdades sociais, pobreza e abandono das periferias, mas eles faziam isso em um tom mais leve e mais bem humorado do que as primeiras produções do Neo-Realismo. Este foi o caso de ‘Le Ragazze di Piazza di Spagna’ (dirigido por Luciano Emmer, de 1952), que já foi comentado aqui no blog.

Em ‘Arroz Amargo’, Silvana acaba se envolvendo com um casal (Walter e Francesca) que está ligado ao roubo de um colar de grande valor. Eles estão sendo procurados pela Polícia em função disso. Francesca tenta conseguir trabalho no arrozal, mas ela e outras 40 mulheres são clandestinas, ou seja, querem trabalhar sem ter a autorização do sindicato para isso. 
Silvana Mangano, em uma das mais belas cenas de 'Riso Amaro'. 
Este fato acaba desencadeando um conflito entre Silvana e Francesca, pois a primeira denunciou a presença das trabalhadoras clandestinas no arrozal. Porém, lideradas por Francesca, estas decidiram trabalhar na colheita do arroz mesmo sem ter a devida autorização, procurando mostrar que seriam mais produtivas do que as trabalhadoras autorizadas. Mas isso faz com que elas se desgastem e cansem mais rapidamente do que as outras trabalhadoras. 

No entanto, o conflito entre Silvana e Francesca acabou por aproximar as duas, que vão se tornar amigas. Francesca acaba por contar a história da sua vida para Silvana, dizendo que havia engravidado de um homem (Walter) que se aproveitava dela e que a obrigou a abortar o bebê. Ela também diz que roubou um valioso colar de um hotel no qual havia trabalhado como empregada por ter sido convencida pelo mesmo homem.  

Silvana também conhece um militar (o sargento Marco) que se apaixona por ela, que chega a demonstrar ciúme quando a vê dançando com Walter. Porém, ela irá acabar Marco, pois vê no desonesto Walter e seu colar de milhões a grande chance de sair da vida de miséria que leva até aquele momento. Enquanto isso, Francesca é que sente-se atraída por Marco. 

Silvana usa do seu charme, beleza e capacidade de sedução para atrair o ladrão Walter, embora não perceba que este pretende usá-la para levar adiante um ambicioso plano de roubo de arroz, ou seja, quer fazer com ela o mesmo que já havia feito com Francesca. 
O sargento do Exército (Marco, interpretado por Ralf Vallone) é o protótipo do homem correto, fiel e honesto, com quem Silvana irá se envolver romanticamente. Mas ela o abandona para poder ficar junto com o manipulador, criminoso e mentiroso Walter. 
Logo, Walter não possui nenhuma intenção de ter um relacionamento sério com Silvana, mas esta aceitou ficar noiva dele depois que o mesmo lhe deu o colar, acreditando que, desta maneira, poderia sair da miséria na qual vive. 

Nestas circunstâncias, o sargento Marco e Francesca acabam se aproximando. Afinal, Francesca quer ter uma vida correta ao lado de um homem simples, mas honesto, o que é o caso de Marco. 

Com isso, Silvana termina por se envolver em um plano de Walter, que pretende roubar a produção de arroz que está guardada no local. Eles decidem levar o plano do roubo adiante durante a realização de uma festa que será feita em homenagem às mulheres trabalhadoras do arrozal e que acontecerá com a presença do prefeito local. 

Assim, enquanto Silvana abre as comportas e desvia a atenção de todos que estão na festa, Walter e mais três picaretas (os agentes das trabalhadoras clandestinas) roubam o arroz, colocando o mesmo em dois caminhões. Mas a abertura das comportas fez com que os caminhões ficassem entalados, impossibilitando a fuga dos ladrões, que acabam sendo presos ali mesmo. 
As belas coxas de Silvana Mangano, que tinha apenas 19 anos quando participou de 'Riso Amaro', são um dos principais destaques do filme, que a transformou em um símbolo sexual, chegando a ser convidada para trabalhar em Hollywood. 
Além disso, Marco e Francesco descobrem sobre o plano do roubo e decidem tentar impedir que o mesmo seja levado adiante, pois se o mesmo for bem sucedido as trabalhadoras irão embora sem receber coisa alguma pelo trabalho que realizaram (elas terão direito a 40 kg de arroz cada uma, ou seja, 1 kg de arroz por cada dia trabalhado). 

Os dois casais acabam se enfrentando, com troca de tiros, e é neste momento que Silvana fica sabendo, por meio de Francesca, que o colar é falso e que o mesmo não vale coisa alguma. Sentindo-se traída, Silvana atira e mata Walter, por quem foi enganada. 

Em estado de choque e com o rosto cheio de lágrimas, ela decide colocar um fim a tudo, cometendo suicídio (outro tema que não era muito comum nos filmes neo-realistas). Essa atitude de Silvana não foi resultado, apenas, de ter sido enganada por Walter, mas também foi provocada pelo fato de que ela não acredita que poderá melhorar de vida por meio do seu trabalho. 

E as trabalhadoras a homenageiam, jogando um pouco de arroz sobre o corpo dela (coberto e sem vida). 

Não fica claro se as trabalhadoras ficaram sabendo do envolvimento de Silvana com o plano de roubar o arroz que elas haviam colhido, mas com certeza elas têm consciência de que Silvana foi mais uma vítima da exploração que sofria e da miséria na qual viveu desde que veio ao mundo. Isso ajuda a entender a identificação que elas sentem em relação à Silvana. 

Neste aspecto, o encerramento do filme está inteiramente de acordo com os cânones do Neo-Realismo. 
Vittorio Gassman interpreta Walter, um ladrão que faz falsas promessas para as mulheres que procura atrair, a fim de usá-las em suas atividades criminosas. 
Informações Adicionais: 

‘Riso Amaro’ (Arroz Amargo);
Diretor: Giuseppe De Santis;
Roteiro: Giuseppe De Santis; Carlo Lizzani; Carlo Musso; Corrado Alvaro; Gianni Puccini; Ivo Perilli; 
Ano de Produção: 1949; País de Produção: Itália;
Gênero: Drama; Duração: 104 minutos;
Música: Goffredo Petrassi;
Fotografia: Otello Martelli; 
Elenco: Silvana Mangano (Silvana); Vittorio Gasmann (Walter Granata); Ralf Valone (Marco, o militar); Doris Dowling (Francesca); Anna Maestri (Irene); Maria Grazia Francia (Gabriella); Nico Pepe (Beppe); Checco Rissone (Aristide); Adriana Sivieri (Celeste); Lia Corelli (Amelia); Dedi Ristori (Anna); Maria Capuzzo (Giulia).

Link:

Dino de Laurentis deixou marca forte na história do Cinema:

http://cultura.estadao.com.br/noticias/cinema,dino-de-laurentiis-deixou-uma-marca-forte-na-historia-do-cinema,638453
O corpo de Silvana, após o seu suicídio, que foi resultado do seu desespero, e que foi provocado pelo fato de que ela não tinha mais esperanças de sair da miséria em que sempre viveu. 
Vídeo - Trecho do Filme:

sábado, 25 de março de 2017

'Stromboli’ – Rossellini usa de temas neo-realistas e religiosos para fazer filme sobre Ingrid Bergman e a Itália do Pós-Guerra! – Marcos Doniseti!

'Stromboli’ – Rossellini usa de temas neo-realistas e religiosos para fazer filme sobre Ingrid Bergman e a Itália do Pós-Guerra! – Marcos Doniseti!
Clássico de Rossellini, 'Stromboli' mistura religião e neo-realismo para mostrar as dificuldades que Ingrid Bergman enfrentou quando foi viver com ele na Itália. 
‘Stromboli’ e a vida de Ingrid Bergman!

‘Stromboli’ foi o primeiro filme italiano que teve a participação da já famosa e consagrada atriz sueca Ingrid Bergman e no qual ela foi dirigida pelo seu futuro marido, Roberto Rossellini, com quem, aliás, ela já tinha um romance quando participou do filme.  

A maneira pela qual eles iniciaram o romance gerou um grande escândalo midiático na época, inclusive na liberal Suécia, onde a imprensa fez críticas muito duras ao fato dela ter abandonado marido e filha para poder iniciar o romance com Rossellini. 

Aliás, Rossellini também era casado e abandonou a esposa para viver com Ingrid. Inclusive, Ingrid (que ainda não havia se divorciado do seu marido) engravidou de Rossellini justamente na época em que ‘Stromboli’ estava sendo filmado. 

Há uma cena no filme na qual a sua personagem (Karen) diz que estava grávida de Mario, o seu marido no filme, o que deve ser uma referência à sua gravidez na vida real. 

Com a ida de Ingrid para a Itália, Hollywood perdeu uma das suas principais estrelas, que era uma fonte de grandes lucros para os estúdios. E a imprensa dos EUA também criticou duramente Ingrid Bergman pela sua atitude de ir para a Itália e viver com Rossellini, com quem ela acabou se casando e gerando três filhos, incluindo a bela e talentosa atriz Isabella Rossellini. 
Karen conheceu o soldado Antonio quando vivia em um campo de refugiados na Sicília. O filme é baseado em uma história que aconteceu com Rossellini. 
Nesta época, Ingrid chegou a ser chamada de ‘demônio’ e ‘corrompida’ por sua atitude. 

De certa maneira, a história de ‘Stromboli’ está intimamente relacionada com os fatos da vida pessoal de Ingrid Bergman. Esta saiu de um país rico (EUA), onde era uma das grandes estrelas de Hollywood, e vai morar em um dos países mais pobres da Europa naquele momento, que era justamente a Itália. 

Na Itália, Ingrid também terá que se adaptar a uma realidade completamente diferente, passando a viver em um país no qual tínhamos uma Igreja Católica extremamente conservadora e que exercia uma grande influência sobre as políticas adotadas pelo governo do país, que era, desde 1948, comandado pelo Partido Democrata-Cristão (intimamente relacionado com a Igreja Católica). Até a política cinematográfica italiana era controlada pela Igreja Católica. 

A Igreja Católica chegou a ter o direito, inclusive, de censurar os filmes que eram produzidos no país, o que atingiu em cheio a produção dos cineastas neo-realistas. 
Karen tentou obter autorização do Cônsul argentino para ir morar no país sul-americano, mas isso foi negado. E Ingrid Bergman dá mais um show de interpretação neste belo filme de Rossellini. 
O governo de ‘União Nacional’ e o Neo-Realismo!

Os filmes do Neo-Realismo eram vistos, pela Igreja Católica, como sendo amorais e ligados ao ideário comunista. De fato, vários cineastas neo-realistas eram ligados ao PCI (Partido Comunista Italiano), embora os seus filmes também tenham sofrido críticas por parte de pessoas que integravam o partido. 

Para os conservadores, os filmes neo-realistas acabavam sendo excessivamente críticos em relação à realidade italiana, enquanto que para os críticos do PCI eles eram vistos como sendo moderados e pequeno-burgueses. 

O nascimento, ascensão e auge do Neo-Realismo se deu entre 1943 e 1947, quando as principais forças políticas e sociais italianas (comunistas, socialistas, liberais, conservadores, católicos) se uniram para lutar contra o Nazi-Fascismo. 

A invasão e ocupação do Sul da Itália pelos Aliados, a partir de Julho de 1943, a derrubada do governo de Mussolini (no mesmo mês), o fato do novo governo italiano ter se passado para o lado dos Aliados e de ter declarado guerra à Alemanha Nazista, a criação e instalação da chamada ‘República de Saló’ (regime fascista fantoche que era controlado pelos Nazistas alemães e que dominou o Norte da Itália até o final de Abril de 1945) e a derrota final de Mussolini são os principais fatos deste período da história italiana.  

Obs1: Estes fatos foram reunidos em outro clássico filme neo-realista (‘Paisà’, de 1946), que também foi dirigido por Rossellini. 
Karen chega à ilha de Stromboli. Logo atrás vem o faroleiro local, com quem ela tentará fazer amizade. 
E com a derrota definitiva do Nazi-Fascismo, em Abril/Maio de 1945, as forças políticas que lutaram contra o mesmo se uniram para formar um governo de ‘União Nacional’, tal como havia acontecido em outros países que haviam sido libertados da dominação nazista pelos Aliados (EUA, Grã-Bretanha, URSS). E o mesmo aconteceu na França, Hungria, Tchecoslováquia, entre outros. 

Essa política, que resultou na instalação de governos de ‘União Nacional’ na Europa foi resultado de um acordo político mais amplo, que envolvia os países vencedores da Segunda Guerra Mundial: EUA, Grã-Bretanha e URSS, que tentaram manter, no Pós-Guerra, a aliança que havia sido vitoriosa na Segunda Guerra Mundial. 

Mas as inúmeras diferenças (políticas, ideológicas) existentes entre as três grandes potências inviabilizou essa tentativa, que entrará em colapso em 1947-1948. 

Foi neste momento histórico (1945-1947), de existência de um governo de ‘União Nacional’, em que os cineastas e roteiristas italianos desfrutaram de ampla liberdade criativa, no qual floresceu o Neo-Realismo. Logo, não há como separar o surgimento e desenvolvimento do Neo-Realismo do contexto político e social da época. Eles estão intimamente relacionados. 

Afinal, o governo de ‘União Nacional’ italiano era bastante plural e democrático e permitiu ampla liberdade de criação no país. 

Foi neste contexto que cineastas extremamente talentosos como Roberto Rossellini, Vittorio De Sica, Luchino Visconti, Giuseppe De Santis, entre muitos outros, produziram inúmeros filmes clássicos neo-realistas e que mostravam toda a realidade de pobreza, miséria, violência, atraso e injustiça do país. 
Karen vive de forma totalmente solitária na ilha de Stromboli, onde não existe nada: água tratada, energia elétrica, museu, teatro, cinema, restaurante. Ela não apenas mudou de lugar, mas voltou no tempo. 
Os filmes neo-realistas fizeram um grande sucesso no início, principalmente no período 1945-1947, que foi justamente a época em que tivemos o governo de ‘União Nacional’, que foi bastante aberto, liberal e progressista, como eu já afirmei aqui.

Mas, a partir de 1948, quando um governo direitista e conservador (comandado pelo PDC) passou a liderar o país, os filmes produzidos nos EUA tiveram tratamento privilegiado por parte do governo italiano, passando a dominar inteiramente o mercado do país.

Assim, os filmes neo-realistas começaram a perder público para as produções de Hollywood, que mostravam uma vida idealizada e que não tinham qualquer conexão com a realidade econômica e social de pobreza e miséria do povo italiano. 

A política cinematográfica italiana passou a ser controlada pelo PDC e, com isso, muitos filmes neo-realistas sofreram cortes e até foram proibidos de serem exportados (o que foi o caso, até, de ‘Ladrões de Bicicleta’, de Vittorio De Sica), pois mostravam uma imagem do país que era considerada  fortemente negativa pelo governo conservador italiano.

Até o Festival de Veneza sofreu interferência do governo direitista italiano, que obrigou os jurados (que foram subornados) do mesmo a não premiar o filme ‘Sedução da Carne’, de Luchino Visconti (que se declarava marxista), em 1954. 

Obs2: Esta última informação foi retirada do capítulo ‘Neo-Realismo Italiano’, de autoria de Mariarosaria Fabris, presente no livro ‘História do Cinema Mundial’, de Fernando Mascarello (org.).
Karen chora, desesperada com a tristeza e solidão em que vivia na ilha de Stromboli. 
Os filmes italianos também deixaram de receber verbas oficiais (o que acontecia em inúmeros outros países europeus) e o circuito comercial passou a ser controlado por estrangeiros. Até mesmo a lei que determinava que um percentual mínimo de filmes italianos que deveriam ser exibidos comercialmente não foi respeitada pelo governo democrata-cristão. 

Desta maneira, o Neo-Realismo teve o seu auge no período que vai de 1945-1947, quando os cineastas italianos desfrutaram de uma ampla liberdade de criação que foi propiciada pelo governo de ‘União Nacional’. 

Com o fim desta ‘União Nacional’ e a ascensão de um novo governo, conservador e direitista, as condições que permitiram o surgimento e expansão do Neo-Realismo deixaram de existir.

Tudo isso aconteceu porque o governo direitista italiano não tolerava o fato de que as produções neo-realistas mostravam os graves problemas econômicos e sociais que o país enfrentava naquele momento: desemprego elevado, pobreza, miséria, fome, trabalho infantil, prostituição, analfabetismo, criminalidade.   

Obs3: Tal governo (liderado pelo PDC) deterá a hegemonia política na Itália até 1990, quando ocorreu a chamada ‘Operação Mãos Limpas’, que destruiu o sistema político italiano tradicional, levando ao fechamento do PDC, do Partido Socialista e de mais alguns outros. Os principais líderes políticos do país acabaram presos ou aposentados. 
Karen conversa com o padre da ilha, inconformada com a vida tediosa e melancólica que tem no local. 
Logo, quando a situação política italiana se modificou radicalmente e as condições históricas que permitiram o desenvolvimento do Neo-Realismo deixaram de existir, o mesmo entrou em crise e perdeu espaço no circuito comercial italiano.

Mesmo assim, alguns cineastas italianos ainda continuaram usando de temas originários do Neo-Realismo (pobreza, desigualdades sociais, baixos salários, abandono das periferias urbanas, exploração dos trabalhadores), mas fizeram isso em filmes mais leves, de humor, o que deu origem ao termo ‘Neo-Realismo Rosa’. 
Este foi o caso, por exemplo, de ‘Le Ragazze di Piazza di Spagna’ (de Luciano Emmer), ótima comédia que já foi comentada aqui no blog, e ‘Pão, Amor e Fantasia’ (de Luigi Comencini).  

‘Stromboli’ e o Neo-Realismo!

Em ‘Stromboli’ temos a presença de alguns dos principais elementos do Neo-Realismo: 

A) Uso de atores não profissionais: Com a óbvia exceção de Ingrid, não havia outro ator ou atriz propriamente dito no filme; eram todos moradores da ilha de Stromboli;

B) Filmagens feitas em locações naturais, na ilha vulcânica de Stromboli, localizada nas proximidades da Sicília; 

C) Uso das técnicas de documentário e de filmes reais (caso da erupção vulcânica e da pescaria de atum);

D) Problemas econômicos e sociais sendo exibidos claramente, como o isolamento, a miséria e o baixo nível educacional e cultural dos moradores da ilha. 
Karen e o faroleiro dão risada juntos, motivo pelo qual os conservadores moradores da ilha passaram a desprezá-la. O mesmo aconteceu com Ingrid Bergman quando abandonou marido e filha para ir viver com Roberto Rossellini na Itália. 
Obs4: É bom ressaltar que quando se comenta sobre a questão educacional e cultural dos moradores da ilha que são mostrados no filme, estou me referindo ao fato de que ali não havia nenhuma escola, museu, teatro, cinema ou biblioteca, por exemplo. E a falta de perspectivas levava a que muitos moradores fossem embora do Sul italiano, indo para o Norte da Itália ou para outros países. Outros filmes neo-realistas trataram deste assunto, aliás, o que é o caso de ‘O Caminho da Esperança’ (de Pietro Germi; o filme já foi comentado aqui no blog). Mas os moradores da ilha não eram burros, muito pelo contrário. Eles sabiam muito bem como fazer para viver num ambiente isolado e que oferecia difíceis condições de sobrevivência, como era o caso daquela ilha vulcânica. Muitas pessoas esquecem que diploma não é atestado de inteligência e que esta independe de se possuir um diploma ou não. 

A trama do filme se desenvolve em torno de Karen Bjornsen, que é uma bela, educada e altiva refugiada lituana, que se envolveu com um oficial alemão durante a Guerra (assim, ela teria colaborado com os nazistas, que ocuparam e invadiram a Lituânia). Karen tem origem nórdica, burguesa e sua formação é racional, iluminista. 

Ela acaba indo parar na Itália, onde fica em um campo de refugiados na Sicília, vivendo com pessoas das mais variadas origens. 

Muitos destes refugiados conseguem ir embora para outros países, mas não é o caso de Karen, que tentou ir para a Argentina, mas que teve o seu pedido recusado pelo Cônsul do país. Para sair do local, ela acaba aceitando se casar com um soldado italiano (Antonio), sendo que mal o conhecia. 
Antonio agride Karen, pois suspeitava da sua traição, que não aconteceu. 
Obs5: A história do filme é baseada num fato que ocorreu com Rossellini. Ele conheceu uma mulher originária da Letônia que estava em um campo de refugiados localizado ao norte de Roma e que, junto com outras mulheres, originárias de vários países (Iugoslávia, Polônia, Hungria, Grécia, Lituânia, Romênia, Letônia), vagavam pela Europa, passando por vários campos, nos quais elas sofriam com a fome, estupros e trabalhos forçados. Rossellini chegou a conversar com a mulher quando a viu pela primeira vez, mas quando voltou ao local para revê-la ele ficou sabendo que ela havia se casado com um soldado italiano e que tinha ido viver com o mesmo em uma ilha do sul da Itália. Rossellini imaginou como seria a vida dessa mulher. Ele contou essa história para Ingrid Bergman, em uma carta na qual respondeu para a atriz sueca, que havia lhe escrito demonstrando interesse em trabalhar com Rossellini depois que assistiu ‘Roma, Cidade Aberta’ e ‘Paisà’. Essa informação foi retirada do livro ‘O Cinema de De Sica, Rossellini, Visconti, Antonioni, Fellini’, de Roberto de Castro Neves (Rio de Janeiro, Editora Mauad X, 2012, páginas 80-81).

Antonio leva Karen para uma isolada e miserável ilha vulcânica (Stromboli) localizada ao norte da Sicília e que é habitada por simples e rudes pescadores iguais a ele. Na ilha, não existe energia elétrica, água tratada ou qualquer conforto típico do século XX (e nem do XIX, XVIII, XVII...). O local é uma simples aldeia de pescadores que, literalmente, parou no tempo.

E é claro que Karen, que é uma mulher inteligente, culta, educada, que está habituada a viver em ambientes urbanos diversificados e sofisticados, e que possui personalidade forte, não irá se adaptar a esta vida tão simples e rústica junto a pescadores rudes e em um ambiente, natural e social, abertamente hostil a pessoas que possuem as suas características. 
Antonio e Karen vão à Igreja, onde todos os moradores olham para ela com desprezo, por considerarem que ela traiu ao marido, o que é mentira. 
Até fisicamente ela é totalmente diferente das mulheres da ilha: Ela é alta, bonita, com um belo corpo, orgulhosa e vaidosa, enquanto as mulheres da ilha já sofreram bastante os efeitos da ação do tempo e da natureza: São baixas, atarracadas, com a pele enrugada, nunca frequentaram uma escola e também possuem uma visão bem simples e modesta da vida. 

E é claro que todas essas diferenças irão gerar conflitos entre Karen e as mulheres da ilha. 

Com isso, quando ela percebe quais são as características do local no qual foi morar, Karen fica desesperada e implora para que Antonio a leve embora dali, mas ele se recusa a lhe dar ouvidos. Ele simplesmente não consegue entender os motivos para que Karen queira ir embora. A comunicação entre eles também é difícil porque ela não domina muito bem o italiano e Mario não domina o inglês. 

Obs6: As dificuldades de comunicação entre as pessoas, especialmente entre homens e mulheres, será um tema fundamental dos clássicos filmes de outro brilhante cineasta italiano que também começou no Neo-Realismo: Michelangelo Antonioni. 

E com isso começa uma verdadeira ‘via crucis’ de Karen na ilha, levando-a a passar por momentos de grande sofrimento e a se sentir inteiramente solitária. Karen fica sozinha, dentro de casa, sem fazer absolutamente nada. 
Com a erupção vulcânica, os moradores da ilha buscam refúgio nos barcos dos pescadores. Logo, eles salvavam a vida das pessoas duas vezes: permitindo que pescassem e quando o vulcão entrava em ação.
Não há uma amiga, ou amigo, sequer com quem ela pudesse conversar ou sair, um livro para ler e, é claro, nenhum teatro, bar, cinema, restaurante ou museu que pudesse frequentar. Ela nem toma conhecimento do que está acontecendo na Itália e no Mundo, vivendo em situação de total isolamento. 

Em um determinado momento, desesperada, ela sai andando, a esmo, pela ilha (ela estava literalmente perdida em um labirinto) e chega a tentar conversar com uma criança de poucos anos de idade. E é claro que não consegue.

É evidente, também, que os valores e costumes da bela, urbana e sofisticada Karen são totalmente diferentes daqueles dos moradores da ilha. Ela começa, por exemplo, a querer enfeitar a sua casa, deixando-a mais bonita, e acaba sendo acusada pelas mulheres da ilha de não ser modesta. Ela também quer usar roupas melhores, mas sequer uma loja da ‘C & A’ existe no local. Assim fica difícil... 

Assim, Karen passa a ser hostilizada pelos moradores da ilha. Ela até tenta explicar para os mesmos que eles são diferentes, mas isso não resolve coisa alguma. 

Obs7: Podemos comparar esta situação que Karen enfrenta no filme com a ida de Ingrid Bergman para a Itália, que era um dos países mais pobres e conservadores da Europa e onde ela também sofrerá duras críticas e passou por um grande sofrimento em função disso. Ingrid declarou que chegou a pensar em abandonar o Cinema em função dos duros ataques que sofreu neste período de sua vida, quando se envolveu romanticamente com Rossellini em circunstâncias que as pessoas não aceitaram. 
A pesca parecia ser bastante violenta aos olhos de Karen, mas era uma questão de sobrevivência para os moradores da ilha. 
É bom que se diga que o fato de Karen ser discriminada pelos simples e rudes moradores da ilha não significa que eles sejam burros. 

Os moradores de Stromboli sabem tudo sobre pescaria e a respeito de qual é a melhor maneira de viver em um ambiente duro, inóspito e violento. Eles sabem, por exemplo, exatamente como devem proceder no momento em que ocorre uma erupção vulcânica e dominam inteiramente as técnicas de pescaria. 

Enquanto isso, Karen (a personagem de Ingrid), fica desesperada quando a erupção acontece e ela acaba seguindo os moradores neste momento, saindo da ilha e indo para os barcos, onde estavam protegidos das pedras vulcânicas que eram arremetidas contra a ilha. 

E quando ela vê os pescadores capturando os peixes (atuns) com as suas redes e arpões ela também fica horrorizada, pois não está acostumada com aquela situação que, para ela, parece ser extremamente violenta. 
Karen tenta ir embora da ilha, sozinha, atravessando para o outro lado da mesma, mas ela terá que passar pelo cume do vulcão para conseguir.
Mas para os pescadores e moradores da ilha aquilo faz parte da vida, já há muitas gerações, e eles sabem que a sobrevivência de todos ali depende das pescarias serem bem sucedidas. Sem isso, eles morreriam de fome. Então, o que pode parecer violento para Karen, é uma questão de luta pela sobrevivência para os moradores da ilha. 

Karen fica desesperada, também, porque o marido trabalha demais e não lhe dá a devida atenção, ou seja, não tem relações sexuais com ela. E também não deveria ser fácil para ela se relacionar com um marido que chega a casa cheirando a água do mar e peixe. Com isso, ela chega a tentar seduzir o padre e o homem responsável pelo farol da ilha. Isso é que é desespero...

Em outro momento, ela estava andando na beira do mar e acabou sendo vista, por muitos moradores da ilha, dando risada ao lado de outro homem. Em função deste fato, Antonio passou a ser chamado de ‘chifrudo’ pelos moradores da ilha, o que o fez agredir Karen. 

Mas, com todos os problemas, preconceitos, solidão, desespero que enfrenta, Karen decide ir embora da ilha, sem a ajuda de ninguém, a pé. 
Karen, desesperada, chora com as dificuldades que enfrenta na travessia pelo cume do vulcão. Ela não quer apenas sair da ilha, mas mudar de vida e atingir a redenção. 
No entanto, para fazer isso ela terá que ir até o outro lado da ilha, onde espera ser levada embora em um barco a motor e isso exige que ela atravesse o cume do vulcão. Ela fará isso em um momento no qual ele está expelindo uma fumaça intensa e bastante quente. Ela passa mal, chora, sofre, pensa em desistir. 

No fim, desesperada, ela passa por um surto religioso e apela para que Deus a ajude (se é que Ele existe, diz Karen). Ela pede a Deus por ‘compreensão, força e coragem’. 

Karen adormece e, quando acorda, ela percebe que a ajuda divina, pela qual implorou, chegou. E com isso ela olha em volta e vê um cenário que considera maravilhoso. 

E o final do filme fica em aberto, pois não ficamos sabendo se Karen foi embora da ilha ou não. 

Obs8: Apesar de ser considerado um dos principais cineastas do Neo-Realismo, Roberto Rossellini nunca foi ligado ao PCI. De fato, na época do governo de Mussolini, ele chegou a dirigir filmes de propaganda fascista e foi amigo de Vittorio Mussolini, filho do ‘Duce’, que era o diretor da revista ‘Cinema’, da qual Rossellini e Michelangelo Antonioni, entre outros, foram colaboradores. O misticismo e a religião estão muito presentes em vários dos seus principais filmes, caso deste ‘Stromboli’ e de ‘Europa 51’ (que já foi comentado aqui no blog). 
Karen não sabia se Deus existia mas, no fim, ela pede pela ajuda divina para superar as dificuldades que enfrenta em sua vida.
Informações Adicionais:

Título: ‘Stromboli, Terra di Dio’;
Diretor: Roberto Rossellini;
Roteiro: Sergio Amidei; Roberto Rossellini; Renzo Cesana; Gian Paolo Callegari; Art Cohn; Félix Morlión; 
Ano de Produção: 1950; País de Produção: Itália;
Duração: 100 minutos; Gênero: Drama;
Música: Renzo Rossellini;
Fotografia: Otello Martelli;
Elenco: Ingrid Bergman (Karen Bjornsen); Mario Vitale (Antonio); Renzo Cesana (Padre); Angelo Molino (criança). 

Vídeo - Trecho do Filme: 

domingo, 19 de março de 2017

‘Sciuscià’ (Vítimas da Tormenta) mostra as consequências da Segunda Guerra Mundial para as crianças e adolescentes italianos! – Marcos Doniseti!

'Sciuscià’ (Vítimas da Tormenta) mostra as consequências da Segunda Guerra Mundial para as crianças e adolescentes italianos! – Marcos Doniseti!
'Vítimas da Tormenta' é um dos principais clássicos neo-realistas e mostra a vida de exploração, miséria, sonhos e delinquência de muitos adolescentes italianos após o final da Segunda Guerra Mundial.
Vittorio De Sica foi um dos principais cineastas do Neo-Realismo, formando com Roberto Rossellini e Luchino Visconti uma espécie de ‘Santíssima Trindade’ deste ‘movimento’ cinematográfico, que se tornou um dos mais importantes e influentes da história. 

A ‘Nouvelle Vague’ francesa, o ‘Cinema Novo’ brasileiro e o Cinema Iraniano estão entre os principais movimentos que foram bastante influenciados pelo Neo-Realismo italiano. 

No capítulo 8 do ótimo livro ‘História do Cinema Mundial’ (organizado por Fernando Mascarello; Editora Papirus; Ano 2000), Mariarosaria Fabris explica e analisa o que foi o Neo-Realismo e também faz uma divisão dos temas que foram tratados nos filmes produzidos pelos cineastas Neo-Realistas e as categorias nas quais eles estão inseridos, que são os seguintes:

A) O Fascismo, a Guerra e as suas consequências; 

B) A questão meridional (do Sul da Itália) e os problemas sociais no campo; 
Pasquale (à esquerda) e Giuseppe são dois adolescentes que ganham a vida engraxando sapatos nas ruas de Roma. 
C) O desemprego e o subemprego urbanos; 

D) O abandono dos jovens e idosos; 

E) A condição da mulher; 

F) A indagação psicológica e a relação do homem com a Religião; 

G) A retomada dos temas do Antifascismo e da Guerra; 

H) A elegia populista e a diluição da temática social; 

I) A superação do Neo-Realismo.

O clássico ‘Vítimas da Tormenta’, que foi realizado em 1946, logo após o final da Segunda Guerra Mundial, pode ser inserido em duas destas categorias, que são o ‘fascismo, a guerra e as suas consequências’ e o ‘abandono dos jovens e idosos’. 
O dinheiro que Giuseppe ganhava engraxando sapatos era fundamental para que a família pudesse se manter. 
Afinal, este belo filme de Vittorio De Sica trata das consequências da Segunda Guerra Mundial para as crianças e adolescentes italianas, pois milhares delas ficaram órfãos e passaram a viver em situação de miséria em função do conflito.  

A história do filme se desenvolve em torno de dois adolescentes (Pasquale e Giuseppe) que vivem de engraxar sapatos em Roma. Pasquale é órfão de guerra e vive na casa de Giuseppe (antes ele dormia em um elevador, mas acabou sendo proibido de fazer isso). 

Uma parte do dinheiro que ganha com esse trabalho eles dão para a família de Giuseppe, ajudando a sustentar a mesma, enquanto que a outra parte eles guardam, pois sonham em comprar um cavalo (cujo nome é Bersagliere, que se parece mais com um potro), o que eles acabarão fazendo. 

Porém, eles não tinham todo o dinheiro necessário para fazer isso. Mas eles serão usados e manipulados por um grupo de ‘golpistas’, do qual o irmão mais velho de Giuseppe fazia parte. Esse grupo convence os dois garotos a vender cobertores americanos para uma cartomante. 
Giuseppe e Pasquale acabam sendo manipulados por golpistas, incluindo o irmão mais velho de Giuseppe, sendo usados em atividades ilegais.
Porém, logo depois que a venda foi efetuada, os membros do grupo aparecem na casa da cartomante e agem como se fossem policiais, acusando a mulher de comprar mercadoria roubada. Eles confiscam os cobertores e mandam os garotos embora. 

É bom esclarecer que Giuseppe e Pasquale não sabiam desse plano, sendo que eles foram convencidos a vender os cobertores em troca de uma comissão (de 300 Liras). 

Posteriormente, no entanto, a cartomante fez a denúncia para a Polícia, gerando a prisão de Pasquale e Giuseppe. 

Mas como eles não confessaram a participação dos adultos nesse plano, a fim de proteger o irmão de Giuseppe, os dois acabaram sendo levados para uma espécie de ‘Febem’ italiana, onde passaram a conviver com centenas de menores infratores e que haviam se envolvido nos mais variados crimes: assaltos à mão armada, roubos, furtos, assassinatos. 
Giuseppe e Pasquale vendem cobertores para uma cartomante, desconhecendo o fato de que estão sendo usados por golpistas. 
Na ‘Febem’, eles são separados e são colocados em celas separadas (são cinco em cada cela), permitindo que eles façam novas amizades e estabeleçam alianças dentro do local. 

Pasquale, por sinal, entrará em conflito com outro adolescente (Arcangeli), que havia sido preso por assalto à mão armada, o que fazia dele um líder respeitado lá dentro. E esse conflito desencadeará uma sucessão de acontecimentos que, por sua vez, levará a um final trágico.  

Os menores, muito espertos, sabem negociar com os ‘mestres’, ou seja, com os funcionários da ‘Febem’ que são encarregados de manter a ordem e a disciplina no local. Exemplo disso é que eles conseguem fumar no lugar, embora isso seja proibido. Mas para isso eles são obrigados a oferecer cigarros aos funcionários que, em troca, lhes fornecem os fósforos. 

E os ‘mestres’ também são especialistas em confiscar (ou seja, em roubar) uma parte daquilo que as famílias dos menores mandam para eles (alimentos, em especial). E é claro que, na ‘Febem’, há também aqueles menores que colaboram com os administradores, em troca de receber um tratamento melhor por parte dos mesmos. 
Giuseppe e Pasquale acabam sendo presos, mas recusam-se a dizer quem os usou para aquela atividade ilegal. 
Os outros menores sabem quem são estes traidores e estão sempre provocando os mesmos. E muitos dos menores sequer recebem as visitas dos familiares, que não se importam com o que eles estão sofrendo na instituição. 

No entanto, a amizade entre Pasquale e Giuseppe ficará abalada quando, ao pensar que o amigo estaria sendo espancado, Pasquale acabou dizendo os nomes dos adultos que os manipularam. A mãe de Giuseppe o visita na ‘Febem’ e o repreende por ter entregado o nome do irmão, levando a que o filho descubra que foi Pasquale 
que o entregou. 

Com isso, Giuseppe e Pasquale se afastam, tornando-se inimigos, sendo que este segundo passará a ser visto como traidor pelos demais menores da instituição. 
Alguns amigos em comum tentam reaproxima-los, mas isso não acontecerá.

Também teremos um confronto entre Pasquale e outro adolescente, que quase acaba morrendo quando é atingido pelo ex-amigo de Giuseppe (embora este tenha torcido pelo mesmo durante a briga). Desta maneira, Pasquale será levado para a solitária. 

No fim, os menores aproveitam-se da exibição de alguns filmes no pátio para organizar e promover uma fuga. Giuseppe foge com mais quatro garotos, mas Pasquale diz para os ‘mestres’ que sabe para onde os fugitivos foram. Ele os leva até a fazenda onde está o cavalo que ele e Giuseppe compraram e também acaba aproveitando para fugir. 
Giuseppe é colocado em uma cela diferente daquela em que seu amigo Pasquale ficou, separando os dois. 
Pasquale encontra Giuseppe e termina por ataca-lo, provocando um final trágico.

Assim, neste belo e clássico filme de Vittorio De Sica vemos a tragédia humana que representou o Fascismo e a Segunda Guerra Mundial para a Itália (afinal, foi Mussolini quem conduziu a Itália à Guerra), em especial para as crianças e adolescentes.

Afinal, uma geração inteira de crianças, adolescentes e jovens acabou pagando um preço elevado pelos crimes de adultos extremistas e fanáticos. 

Também é possível notar a facilidade com que Vittorio De Sica trabalhava com crianças e adolescentes. Não é à toa que, dois anos depois, ele iria dirigir outro clássico, que foi ‘Ladri di Biciclete’ (vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 1950), filme no qual uma criança (Enzo Staiola, que interpretou Bruno) teve um papel importante. 

‘Vítimas da Tormenta’ também acabou influenciando outros cineastas, que posteriormente também dirigiram filmes a respeito de assunto semelhante, como foi o caso de ‘Os Esquecidos’ (de Luís Bunuel) e ‘Pixote – A Lei do Mais Fraco’ (de Hector Babenco).
No final, Pasquale vai atrás de Giuseppe, por quem se sentiu traído. E o final do confronto será trágico. 
Informações Adicionais: Título: Sciuscià (Vítimas da Tormenta);
Diretor: Vittorio De Sica;
Roteiro: Cesare Zavattini; Sergio Amidei; Adolfo Franci; Cesare Giulio Viola;
Ano de Produção: 1946; País de Produção: Itália;
Duração: 88 minutos; Gênero: Drama;
Música: Alessandro Cicognini; 
Fotografia: Anchise Brizzi;
Elenco: Franco Interlenghi (Pasquale Maggi); Rinaldo Smordoni (Giuseppe Filipucci); Annielo Mele (Raffaele); Bruno Ortenzi (Arcangeli); Emílio Cigoli (Staffera).
Prêmios: Oscar Honorário em 1948.
Melhor Diretor para Vittorio De Sica (Sindicato Nacional de Jornalistas Cinematográficos da Itália). 
Vídeo - Trailer do filme: